Categoria Notícias

Cursos gratuitos ensinam idosos a usar smartphones e tablets; inscrições começam dia 18

Iniciativa do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP) o Curso A Distância em Duplas Tutor-Aluno: Práticas em Smartphones e Tablets para a Terceira Idade ensina idosos a usar dispositivos digitais. As aulas são direcionadas para quem tem pouca ou nenhuma experiência com os aparelhos e devem ser ministradas com a ajuda de um tutor, ou seja, alguém da família ou colega que possa auxiliar o idoso a entrar nas aulas e ficar junto durante o aprendizado.

As duplas devem ser formadas por um participante com no mínimo 60 anos (idoso) e um de idade mínima de 18 anos (tutor). Os dois devem possuir um smartphone do mesmo fabricante e com sistema Android versão 8.0 ou superior.

O objetivo do curso é familiarizar os idosos com o uso de smartphones e realizar práticas que apoiem os alunos a desenvolver competências e habilidades necessárias para o uso dos aparelhos. O curso, que é gratuito, será inteiramente remoto. As inscrições começam dia 18 e terminam no dia 20 de agosto e poderão ser feitas Aqui. As aulas serão dadas às quartas-feiras, das 19h às 21h, por meio de plataforma online a ser divulgada posteriormente. Serão oferecidas 60 vagas. As aulas começam dia 25 de agosto e acabam em 15 de dezembro.

Aulas práticas

Os alunos vão aprender práticas de interação por toque de modo integrado a aplicações básicas comuns aos dispositivos Android (telefone e lista de contatos, câmera e galeria de fotos), bem como para o desenvolvimento de habilidades e competências para domínio de configurações (tamanho de letra, configurações para hora de dormir, conexão com rede sem fio e rede de dados). Haverá prática de Aplicativos de comunicação: Google Meet, Whatsapp/Signal/Telegram e Instagram.

Também haverá prática de Aplicativos de Entretenimento: Google SearchGoogle PlayYouTube, Spotify, Jogos e Prática de Aplicativos de Serviços: iFoodUber Eats. Mais informações do curso aqui.

Já idoso que tem algum conhecimento e consegue usar sozinho o smartphone pode se inscrever no curso Práticas com Tablets e Celulares – Módulo Avançado – Curso a Distância. A meta é oferecer letramento digital ao público idoso com o ensino de configurações dos smartphones e de aplicativos que emergiram ou que tiveram seu uso disseminado durante o período de distanciamento social, como o iFoodSpotify e Zoom, entre outros.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 15 de agosto aqui. Mais informações sobre o curso aqui. As aulas acontecem toda quarta-feira das 14h às 16h. O curso começa dia 1º de setembro e termina em 8 de dezembro, também de forma online.

Serão discutidos conceitos sobre dispositivos móveis: interação (toques, gestos), navegação e aplicações, e realizadas práticas com aplicações de interesse do público-alvo e que permitem, por exemplo, realizar chamadas telefônicas e enviar mensagens, criar e gerenciar contatos, alarmes, diários, fotos, música, vídeos, notícias, e-mail e jogos.

Prova de vida do INSS volta a ser obrigatória

Crédito: Marcelo Casall – Agência Brasil

Desde o início de agosto de 2021 a prova de vida para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que moram no Brasil voltou a ser obrigatória. A exigência estava suspensa desde maio de 2020 por causa da pandemia de covid-19 e não causava a suspensão do benefício. Com o retorno da obrigatoriedade, os aposentados e pensionistas que não realizarem a confirmação do cadastro terão o benefício suspenso.

A prova de vida é obrigatória para todos que recebem benefícios por meio de conta-corrente, poupança ou cartão magnético. De acordo com o INSS, cerca de 36 milhões de beneficiários devem realizar a prova de vida anualmente para continuar a receber. O procedimento serve para evitar fraudes e garante a manutenção do pagamento.

“É importante que os segurados que não fizeram a prova de vida, realizada uma vez por ano, façam o procedimento”, destacou o INSS.

Esses beneficiários selecionados para fazer a prova de vida por biometria facial e que ainda não realizaram o procedimento, devem fazê-lo pelo aplicativo Meu Gov.br ou Meu INSS, disponível para baixar na Play Store e na Apple Store. Após realizar a prova de vida por biometria facial, o segurado pode consultar o resultado pelo Meu INSS.

Os segurados aptos a realizar o procedimento online, serão informados por SMS no celular, ou ainda por e-mail, ou aplicativo Meu INSS. O instituto alerta que enviará o SMS somente pelo número 280-41, qualquer outra mensagem referente à prova de vida de outro número deve ser desconsiderada.

“O INSS identificou cerca de 160 mil beneficiários que deveriam ter feito a prova em fevereiro de 2020.  Esses beneficiários podem fazer o procedimento de forma remota nos aplicativos Meu INSS e Meu gov.br, evitando dessa forma o bloqueio de seus benefícios”.

Além dos aplicativos Meu Gov.br e Meu INSS, alguns bancos permitem que a prova de vida seja feita por meio de biometria, nos caixas eletrônicos ou nos seus próprios aplicativos.

Também é possível realizar a prova de vida normalmente em uma agência do banco em que recebe o benefício. Nesse caso, o segurado deverá levar um documento de identidade com foto. Esse documento pode ser o RG, a carteira de motorista ou a Carteira de Trabalho.

Para evitar aglomerações nas agências, o INSS elaborou um calendário. O cronograma começa em junho para quem deveria ter feito a prova de vida em março e abril de 2020. No mês seguinte, julho, para os beneficiários que deveriam ter feito a prova de vida em maio e junho. O calendário segue até dezembro com a prova de vida para quem deveria ter feito em março e abril de 2021.

Os beneficiários que têm dúvida sobre a realização da prova de vida ou dificuldade de locomoção podem buscar ainda atendimento pela Central 135 e agendar a visita de um servidor do INSS. A central funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h.

Também é possível cadastrar uma pessoa como procuradora para realizar o exame. Essa opção, contudo, somente está disponível para os beneficiários que têm dificuldade de locomoção. O procedimento deve ser feito pelo aplicativo Meu INSS.O instituto informou ainda que para os beneficiários residentes no exterior, a “retomada do processo de bloqueio dos créditos, suspensão e cessação dos benefícios por falta de comprovação de vida” será divulgada em outra portaria.

 

Fonte: Agência Brasil

Dia dos avós e dia dos pais são comemorados com bingo em lares de Taubaté, Caçapava e Guaratinguetá

A concentração na espera para a próxima pedra que vai sair do globo. A expectativa se aquele número vai completar a quina para a conquista da aguardada prenda, e… Bingo!

A brincadeira que fez parte da infância e juventude da maioria dos idosos residentes na Casa do Ancião Luiza de Marillac, em Taubaté, e no Lar São Vicente de Paulo, em Caçapava, foi a atividade que levou alegria a eles em comemoração ao dia dos avós, celebrado dia 26 de julho.

Da mesma forma, houve celebração ao dia dos pais, na primeira semana de agosto, na Comunidade Missionária São José, de Guaratinguetá.

Entre as prendas estavam canecas, chocolates, produtos de higiene e beleza, que completavam a alegria dos vovôs e vovós, já satisfeitos pela diversão e distração proporcionadas pelo jogo de bingo.

“O bingo e uma brincadeira que ajuda na concentração, paciência, empatia com as amigas e muita diversão. Além disso, trabalha também a memória, pois tem que escutar e procurar o número”, afirmou a arte educadora da Fundação José Carlos da Rocha, Letícia Godinho.

O educador Breno Antunes Ribeiro, que também é da Fundação José Carlos da Rocha confirmou a aprovação dos idosos à atividade escolhida para celebrar o dia dos avós. “Foi bem divertido e lúdico. É uma atividade que os idosos gostam muito”, avaliou.

 

Exercício de bola ao cesto diverte idosas de Tremembé

A aplicação de exercícios de bola ao cesto tem contribuído para benefícios físicos e sociais para um grupo de idosas do Centro de Convivência Amélia Ozanam, em Tremembé, um dos lares atendidos diretamente pela Fundação José Carlos da Rocha.

Por meio da proposta do educador físico Thiago Frederic de Melo, 16 vovós estão praticando a atividade ao livre – aproveitando o sol também para aquecer o corpo. “Normalmente realizamos a programação dentro do salão, mas quando encontramos dias ensolarados sempre busco levá-las ao sol para aquecer e deixar os exercícios mais animados. Percebo que ao ar livre os exercícios fluem melhor, são mais dinâmicos e com mais disposição”, disse o professor.

A iniciativa visa desenvolver a coordenação motora e a concentração de idosos, por meio de ações de expressão corporal, flexibilidade, força, equilíbrio e outros movimentos para melhorar a condição física e a qualidade de vida do grupo.
O professor explicou que inicia a atividade com um aquecimento ao som de música. “É bastante animado do início ao fim e a música auxilia a manter todas mais animadas durante toda a aula. Não se trata apenas de exercício físico, é uma iniciativa que traz ganhos na sociabilidade e felicidade delas,”, finalizou.

 

Dança coreografada estimula memória, concentração e fortalecimento muscular de idosos no ‘São Vicente de Paulo’

Os idosos do Lar São Vicente de Paulo, em Pindamonhangaba, têm praticado atividades de dança coreografada para estimular a memória e a concentração. As aulas são desenvolvidas pela professora Nadialice Melo, da Fundação José Carlos da Rocha.
Segundo ela, nos meses de junho e julho, estes exercícios foram aplicados com maior frequência e os resultados foram positivos, tanto sob aspecto técnico quanto pela aceitação dos idosos.
Nadialice explicou que a dança coreografada auxilia no estímulo da memória e concentração, pois “faz com que os idosos realizem os movimentos e criem uma programação”. Desta forma, “eles fazem os movimentos coreografados, obedecendo a uma sequência, que é associada a um ritmo e a um som”, completou.
Ela ressaltou que a prática gera benefícios na concentração dos indivíduos – fazendo com que eles trabalhem a memória, a percepção, a atenção, equilíbrio, reabilitação dos movimentos, amplitude articular e fortalecimento muscular.

 

Exercícios de geronto-ativação preparam idosos para retorno gradual das atividades em Lagoinha e São Luiz

Devido a pandemia do Covid-19, que eclodiu em 2020, parte das ações geridas pela Fundação José Carlos da Rocha em diversos lares foi parcialmente interrompida, só retomando como antes em 2021. Assim ocorreu com os projetos realizados nos lares Vicentino, em Lagoinha, e Vila São Vicente de Paulo, em São Luiz do Paraitinga.

Em junho de 2021, devido à vacinação de todos os idosos, prestadores de serviços e também à queda no índice de contaminação e de internações, algumas atividades puderam retornar à normalidade. Entretanto, o hiato de mais de um ano exige um retorno gradual dos exercícios físicos. Pensando nisso, uma professora de educação física da Fundação José Carlos da Rocha, Rita dos Santos, está desenvolvendo atividades de geronto-ativação nos lares.

Geronto-ativação são movimentos rítmicos que  envolvem várias articulações de forma suave e moderada. Atuando como aquecimento, a geronto-ativação previne a rigidez articular e a tensão muscular, incluindo a desaceleração da lentidão dos movimentos nos casos da Doença de Parkinson.

De acordo com a professora Rita, os exercícios auxiliam nas aulas do projeto Dança Folclórica Sênior, também desenvolvido por Rita. “Como os lares estão reiniciando as aulas, essa atividade contribui muito para preparar o corpo para as demais coreografias. A geronto-ativação aumenta a disposição para participar de outras atividades sociais contribuindo assim para o bem estar geral com melhora da qualidade de vida. Além disso, contribui muito com o humor dos idosos, já que sempre buscamos desenvolver exercícios leves e acessíveis”, finaliza Rita dos Santos.

Projeto de lei prevê piso especial da Previdência para ‘super idosos’

Crédito de fotografia: Aniele Nascimento, A Gazeta do Povo, via página do Senado

O Senado vai analisar um projeto de lei que estabelece um novo piso na Previdência Social para aposentados e pensionistas com 75 anos ou mais (PL 2.440/2021). De acordo com o projeto, esses beneficiários teriam direito a um reajuste pelo Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que é mais alto do que a inflação geral.

A proposta é do senador Lasier Martins (Podemos-RS), que credita a ideia a Gelcy Pereira Brum, um aposentado gaúcho que escreveu uma carta à mão para o gabinete. Lasier destaca que, com a inflação crescente, os idosos com 75 anos ou mais estão entre os mais prejudicados.

“A situação dos super idosos é marcadamente diferente, tanto pela real impossibilidade de se ocupar no mercado de trabalho, como pelos elevados custos para a sua sobrevivência”, escreve ele em sua justificativa para o projeto. Lasier, que faz parte desse grupo social (tem 79 anos), destaca os gastos com medicamentos e serviços de saúde como despesas que pesam mais para os “super idosos” do que para o restante da população.

Segundo o texto, o piso da Previdência para os beneficiários de 75 anos ou mais partirá do valor atual do salário mínimo (R$ 1.100,00), mas será atualizado anualmente pelo IPC-3i se este for maior do que o reajuste anual do mínimo — se não for, ele seguirá o reajuste. Essa política será mantida até que o piso da categoria alcance o valor equivalente a duas vezes o salário mínimo atual.

O projeto ainda precisa ser encaminhado a uma comissão e receber um relator. Se for aprovado pelo Senado, seguirá para a Câmara dos Deputados.

Fonte: Agência Senado

Novas medidas podem facilitar a inserção de idosos na vida cultural, universidades e outros benefícios

A Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa da Câmara dos Deputados aprovou, em julho de 2021, o Projeto de Lei 175/19, que altera o Estatuto do Idoso para aumentar a inserção e a participação dos idosos na vida cultural do País.

Conforme a proposta, do deputado Igor Timo (Pode-MG), o Poder Público deverá oferecer aos idosos programas especiais de alfabetização e de atualização do letramento, a fim de permitir que tenham amplo acesso a conteúdos culturais. Já o programa Universidade Aberta à Terceira Idade (UATI) deverá incluir conteúdos e atividades culturais ministrados por especialistas em diferentes áreas da cultura e das artes.

Exclusão da cultura
O parecer do relator, deputado Dr. Frederico (Patriota-MG), foi favorável ao texto. “Trata-se de um segmento que cresce aceleradamente e que apresenta as maiores taxas de analfabetismo, além de ter, em média, poucos anos de estudo”, disse. “Tal realidade leva à exclusão de muitos idosos da fruição da cultura”, completou.

Ele citou a pesquisa Idosos no Brasil: Vivências, Desafios e Expectativas na Terceira Idade, realizada recentemente pelo Sesc São Paulo e pela Fundação Perseu Abramo, segundo a qual os idosos no Brasil sentem-se excluídos do mundo digital e 40% deles dizem ter algum tipo de dificuldade em ler e escrever.

Para o relator, as medidas propostas podem ajudar na melhoria da qualidade de vida dos idosos e na persecução do envelhecimento ativo.

Outras medidas
A proposta prevê ainda prêmios de caráter nacional visando promover a inclusão cultural da pessoa idosa e também o treinamento e a capacitação de profissionais de saúde e de cuidadores para que utilizem atividades e conteúdos artístico-terapêuticos.

Tramitação
Já aprovado pelas comissões de Seguridade Social; e de Educação, o projeto ainda será analisado em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Jogos de Bocha desenvolvem força, equilíbrio e percepção de idosos de Taubaté e Caçapava

Os professores da Fundação José Carlos da Rocha realizam dezenas de atividades para buscar melhorias na qualidade de vida dos idosos atendidos diretamente pela instituição.

Uma novidade no mês de julho foi a introdução de jogos de bocha nos lares Luiza de Marillac, de Taubaté, e Vicente de Paulo, de Caçapava, mas atividades do professor de educação física, Breno Ribeiro Antunes.

Ele contou que nos meses anteriores já havia trabalhado com exercícios similares ao jogo e a adesão dos idosos foi muito boa. “Como eles demonstraram interesse na prática, resolvi introduzir a bocha nos exercícios. Iniciamos essa vivência e todos gostaram muito. O fato da grande maioria conhecer bocha e já ter praticado no passado ajudou bastante”.

A atividade foi iniciada com bolas de borracha, por serem leves. “Conforme o desenvolvimento dos idosos na realização dos movimentos, pude incluir as bolas de bocha – que são pesadas e requerem mais atenção e força. A grande maioria conseguiu jogar. Para os que não tinham condições físicas, porque tinha que agachar, pegar um objeto pesado e lançar, resolvi adaptar para que eles empurrassem as bolas com os pé”, explicou o professor.

Breno Ribeiro Antunes avaliou o exercício como produtivo no desenvolvimento físico e melhorias psicológicas para os idosos. “É um jogo que possibilita ganhos no condicionamento, força, equilíbrio, coordenação olho e mão, reflexo, percepção de distância, dentre outros”, resumiu o professor, que realizou partidas entre equipes – formando um mini torneio de bocha dentro dos lares. “Dividimos os times, utilizamos quadro para pontuação. Foi tudo bem parecido com o que seria a prática realizada nas próprias raias da modalidade”, completou o professor, que estuda a implantação da bocha em outros lares atendidos pela Fundação José Carlos da Rocha.

Projeto facilita prova de vida para aposentados e pensionistas do INSS

Crédito: Pedro França – Agência Senado

O Projeto de Lei 385/21 permite que médicos e outras autoridades ofereçam prova de vida a beneficiários do INSS durante a emergência de saúde pública decorrente da pandemia. A iniciativa facilita a vida de milhões de aposentados do Brasil, especialmente os que vivem em lares de longa permanência, como as instituições atendidas pela Fundação José Carlos da Rocha.

Já aprovado no Senado, o texto tramita na Câmara dos Deputados.

A proposta é do senador Jorginho Mello (PL-SC) e visa evitar que aposentados e pensionistas, principalmente de cidades do interior, tenham que se deslocar aos bancos para fazer a prova de vida. Atualmente, a Lei Orgânica da Seguridade Social atribui essa tarefa às instituições bancárias e às agências do INSS.

“Neste momento de pandemia, os idosos, caso precisem comprovar a existência, estão submetidos a longas filas, aglomerações, gente sem máscara, riscos de contrair o coronavírus, pedintes e golpistas em portarias das agências financeiras”, disse Mello.

As novas regras também valerão para quem recebe Benefício de Prestação Continuada (BPC) da assistência social.

Remessa
De acordo com o projeto, a comprovação de vida poderá ser efetuada pela simples remessa, por meios eletrônicos ou pelos Correios, de um atestado médico, para os endereços disponibilizados pelo INSS.

Também poderá ser feita por meio de declaração firmada por médico, que atestará, em formulário próprio estabelecido pelo INSS, que o beneficiário se encontra impossibilitado de comparecer em local designado para a comprovação de vida.

Outra possibilidade é a comprovação de vida por meio de impressões digitais, de áudio ou audiovisuais produzidos nos 30 dias antecedentes, ou ainda de biometria facial, que permitam a confirmação da identidade do declarante e a data em que foram registrados.

Agentes de saúde
Não havendo médico disponível na localidade do segurado, a comprovação de vida poderá ser realizada por meio de formulário impresso padrão do INSS, preenchido pelo interessado e subscrito por duas testemunhas (que não sejam parentes) a ser entregue em agência lotérica ou agência dos Correios.

A comprovação também poderá ser feita mediante atestado emitido e firmado por autoridade constituída, enviado pelos Correios ou por meios eletrônicos; ou, ainda, por agentes comunitários de saúde e demais integrantes do Programa Saúde da Família, ou por agentes envolvidos na Política de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas.

Fonte: Agência Câmara de Notícias