Categoria Notícias

Treinamento funcional em São Luiz do Paraitinga

Os vovôs e vovós da Vila São Vicente de Paulo, em São Luiz do Paraitinga, estão participando de aulas de treinamento funcional, aplicadas pelo educador físico Ricardo Rodrigues, da Fundação José Carlos da Rocha.

A atividade, além de proporcionar melhorias significativas na convivência dos idosos, ainda contribui para gerar diversos benefícios para o corpo, especialmente o condicionamento físico e o ganho de massa muscular.

Segundo educadores físicos, as atividades funcionais ainda estão diretamente ligadas à habilidade aeróbica do sistema esquelético; força e resistência para a realização de tarefas do dia a dia; hipertrofia muscular com a repetição lenta de movimentos com pesos, gerando ainda a potência dos músculos; e ganhos no tecido ósseo, pois os exercícios, principalmente os de constrição localizada, ajudam no combate à osteopenia (perda de massa óssea).

Não bastasse tudo isso, o grupo está mais feliz e motivado com as próximas aulas do professor Ricardo Rodrigues.

 

Estacionar irregularmente em vaga de idoso pode gerar multa de R$ 293

A acessibilidade é direito de todos – garantido por lei. Idosos e deficientes têm direito a vagas preferenciais em estacionamentos, mas poucos respeitam.

É comum encontrar pessoas (não idosas e não deficientes) utilizando as vagas em supermercados e shopping, principalmente. Isso porque a fiscalização praticamente não existe. Mesmo nas ruas das cidades, muitos ‘espertinhos’ fazem uso da vaga sem necessidade.

Quem utiliza as vagas para deficientes ou idosos de forma irregular, sem a credencial, está cometendo infração gravíssima, sujeita a uma multa de R$ 293,47, além de 7 pontos na carteira.

Para ter o direito de utilizar as vagas, o condutor deve ter uma credencial. O local de solicitação varia de cidade para cidade, mas normalmente pode ser feita no departamento de trânsito.

Pela lei, as vagas com deficiência física ou visual devem representar no mínimo 2% do total de vagas em um estacionamento –  essa é uma determinação do Contram; já as vagas para idosos, ao menos 5%.

 

Senado analisa proposta que cria Cadastro Nacional de Idosos

Todas as políticas públicas voltadas aos idosos, assim como as informações coletadas em censos relacionados a esta faixa da população poderão se tornar um amplo banco de dados informatizado. Isso porque a CDH – Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa – está discutindo uma proposta que cria o Cadastro Nacional de Inclusão da Pessoa Idosa

Na prática, o banco de dados se trata de dispositivos acrescentados ao Estatuto do Idoso (Lei 10.741/2003) para permitir a coleta, o processamento e a sistematização de informações, inclusive georreferenciadas, que possibilitem a identificação e a caracterização socioeconômica das pessoas idosas e relacionem as dificuldades que elas enfrentam para exercer plenamente seus direitos.

De acordo com publicação da  Agência Senado, os dados poderão ser usados para formular, monitorar e avaliar políticas públicas para essa camada da população, identificando as barreiras que impedem o alcance e usufruto de seus direitos.

O senador Paulo Paim (PT-RS) deu parecer favorável à aprovação do texto. Em sua avaliação, a proposição traz “uma grande solução, que certamente terá efeito multiplicador nas políticas públicas de atenção à população idosa”.

Depois de analisada pela CDH a proposta passará pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.

Conteúdo original com base em divulgação da Agência Senado

Em Lorena, vovôs e vovós participam de projeto na praça central

Os vovôs e vovós da Vila Vicentina, de Lorena, estão recebendo atenção especial da equipe da Fundação José Carlos da Rocha. Além de terem sido recentemente inclusos nos lares fixos atendidos pela instituição, com diversos programas, como o Eu Ainda Quero, eles também participam de atividades físicas e sociais promovidas pela Fundação José Carlos da Rocha.

Um dessas iniciativas é o projeto ‘Alegria de Viver’, que é desenvolvida pelo professor de educação física Thiago Frederic de Melo. O ‘Alegria de Viver’ tem possibilitado expressão corporal, ações lúdicas, treinamento funcional, alongamentos, e exercícios que melhoraram a condição física do grupo.

Em junho, em uma recreação externa, moradores de Lorena puderam acompanhar o carinho e o cuidado que a Fundação José Carlos da Rocha tem com os vovôs e vovós da Vila Vicentina, que visitam a praça Arnaldo Azevedo para realização de várias atividades físicas.

Além de ter uma grande função na qualidade de vida dos idosos, o trabalho despertou o interesse do público que transitava pela ‘Arnaldo Azevedo’, como estudantes, policiais, guardas municipais, comerciantes e pessoas em geral.

Fundação promove aula integrada para vovôs e vovós de Taubaté

Além de desenvolver diversas iniciativas nos lares em que atua, a Fundação José Carlos da Rocha ainda promove a integração dessas ações. No mês de julho, por exemplo, os internos da Casa do Ancião Luiza de Marillac, em Taubaté, receberam atividades simultâneas coordenadas por Flávia do Amaral e Letícia Godinho.

As professoras, que são membros da Fundação José Carlos da Rocha, juntamente com o fisioterapeuta Adriano, levaram os vovôs e vovós a uma praça para praticar exercícios.

As atividades físicas foram realizadas em uma academia ao ar livre, onde os idosos foram instruídos a utilizar os equipamentos da forma correta.

A prática proporcionou atividade física monitorada, interação e sociabilização entre os idosos – além de um passeio ao ar livre, ou seja, ajudou na melhora significativa da qualidade de vida de todos.

Governo lança estratégia para levar qualidade de vida aos idosos

O Brasil quer garantir qualidade de vida aos idosos e promover o envelhecimento saudável e ativo da população, com base no programa ‘Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa’, que é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social.

A estratégia tem foco nos idosos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, e vai reunir ações dos setores governamentais, organismos internacionais e instituições públicas e privadas

Segundo o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, a estratégia oferecerá mais qualidade de vida para as pessoas com mais de 60 anos, além de fortalecer a Política Nacional do Idoso. “O Brasil tem que se tornar gradualmente um país que atenda essa população crescente de idosos”, ressaltou.

O Brasil tem hoje 29,6 milhões de idosos, sendo que 6 milhões estão no Cadastro Único. Os dados são de abril deste ano, quando o programa foi lançado. Ao aderir à estratégia, Estados e municípios assumem o compromisso de garantir o direito dos idosos e de desenvolver ações voltadas a essa população.

Para o secretário nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do MDS, Halim Girade, a Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa significa que as ações voltadas aos idosos serão acompanhadas de perto pelos conselhos municipais e pela sociedade. “Para chegar até isso, nós temos nos municípios a elaboração de diagnósticos sobre os idosos, de planos, a aprovação desse plano como lei pela Câmara de Vereadores, a sanção do prefeito e, a partir deste momento, começa o desencadeamento das ações”, afirmou.

A Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa é desenvolvida pelo Ministério do Desenvolvimento Social em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Humano, da Saúde e dos Direitos Humanos, do Pnud – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, da Opas – Organização Pan-Americana da Saúde e da OMS – Organização Mundial da Saúde.

Festa Junina diverte vovôs e vovós de Pinda

Uma festa junina promovida pela Fundação José Carlos da Rocha animou os vovôs e vovós do Lar São Vicente de Paulo, de Pindamonhangaba, dia 30 de junho. Com trajes típicos e maquiagem, todos se divertiram bastante com as brincadeiras tradicionais.

Além de comidas e decoração, a festa contou com muita música e dança – especialmente de quadrilha junina, organizada pelo professor de dança Alexandre Botelho, da Fundação José Carlos da Rocha.

Atividade física de baixa intensidade reduz risco de morte em idosos, aponta estudo

De acordo com uma pesquisa lançada em junho de 2018 pelo British Journal of Sports Medicine – (tradução ‘Jornal Britânico de Medicina Esportiva’), algumas horas por semana de atividade física, ainda que sejam de baixa intensidade, contribuem para a redução do risco de morte nos idosos, especialmente os homens.

Ainda segundo os autores da pesquisa, o volume de atividade física está diretamente associado a um menor risco de morte por qualquer causa, sobretudo doenças de origens cardiorrespiratórias.

Isso é mais uma confirmação de que as atividades desenvolvidas pela Fundação José Carlos da Rocha tem melhorado significativamente a qualidade de vida de centenas de vovôs e vovós.

A análise dos cientistas britânicos ainda evidencia atividades de lazer como um dos pontos determinantes dentro dos exercícios de baixa intensidade, como cuidar dos jardins, fazer pinturas  e coreografias, além de aulas de canto e dança, reiterando a atuação da Fundação José Carlos da Rocha dentro dos lares.

Festa de aniversariantes de junho na Vila Vicentina da Sagrada Família, em Lorena

Os vovôs e vovós da Vila Vicentina da Sagrada da Família, de Lorena, puderam comemorar os aniversariantes do mês de junho, com uma festa organizada e promovida pela Fundação José Carlos da Rocha.

Em especial, quem assoprou as velinhas foi a vovó Aninha – que completou 96 anos dia 29 de junho. Ela é a mais idosa do lar, mas a idade avançada não a impediu de comemorar a data junto com seus amigos e funcionários do lar, além de membros da Fundação José Carlos da Rocha.

Casas devem ter acessibilidade, não apenas para idosos

O avançar da idade aumenta os riscos de quedas e acidentes, principalmente os domésticos. Isso porque com o tempo o corpo perde a força muscular e a densidade óssea, além de apresentar debilidades visuais, auditivas e ponto de equilíbrio. Por isso, as residências devem ser planejadas pensando na acessibilidade para idosos – como portas largas, instalação de corrimão, apoio nos banheiros, priorizar rampas em vez de escadas e outros elementos que facilitem a locomoção de pessoas com idade avançada.

Isso não significa que todos tenham que fazer essas adaptações ou esse planejamento agora, no entanto é bom já pensar nisso. Porque mesmo que você seja uma pessoa jovem e não possua avôs, um dia vai, inevitavelmente, envelhecer.

A Fundação José Carlos da Rocha acredita que essa dica não vale apenas para quando você tenha que imaginar uma pessoa idosa. Pense também em uma mulher grávida ou com carrinho de bebê, ou você mesmo com uma operação no joelho ou um pé quebrado. Devemos todos refletir a respeito.