Categoria Notícias

Fundação orienta idosos sobre uso e armazenamento  de medicamentos

Além de atender lares de idosos de forma direta e indireta com programas e ações, a Fundação José Carlos da Rocha também realiza serviços de utilidade pública. Esta semana, o foco é orientar idosos, cuidadores e familiares sobre o uso e armazenamento de medicamentos. Como são dicas gerais sobre medicamentos, isso vale para casas onde não há idosos, especialmente se há crianças nestes lares.

Confira as recomendações:

  • Mantenha os medicamentos em lugares secos e frescos, seguros e específicos para este fim, fora do alcance de crianças e animais.
  • Evite guardar os medicamentos com produtos de limpeza, perfumaria e alimentos.
  • Guarde na geladeira apenas os medicamentos líquidos, conforme orientação de um profissional de saúde.
  • Não guarde medicamentos na porta da geladeira ou próximo do congelador.
  • A insulina, por exemplo, perde o efeito se for congelada.
  • Se você utilizar porta-comprimidos para guardar os medicamentos, deixe somente a quantidade suficiente para 24 horas.
  • Os recipientes devem ser cuidadosamente mantidos limpos e secos.
  • O armazenamento de medicamentos deve ser individualizado para evitar erros e trocas com medicamentos de outras pessoas.
  • Lave as mãos antes de manusear qualquer medicamento.
  • Manuseie os medicamentos em lugares claros. Leia sempre os nomes para evitar trocas.
  • É importante o uso regular dos medicamentos, observando os horários prescritos.
  • Tome os comprimidos e as cápsulas sempre com água ou conforme a orientação de um profissional de saúde.
  • Consulte seu médico ou farmacêutico caso seja necessário partir ou triturar os comprimidos.
  • Abra somente um frasco ou embalagem de cada medicamento por vez.
  • Mantenha os medicamentos nas embalagens originais para facilitar sua identificação e o controle da validade.
  • Observe frequentemente a data da validade e não tome medicamentos vencidos.
  • Consulte seu médico ou farmacêutico caso observe qualquer mudança no medicamento: cor, mancha ou cheiro estranho.
  • Utilize preferencialmente o medidor que acompanha o medicamento. Evite o uso de colheres caseiras. Lave-o após o uso.
  • Não passe o bico do tubo nas feridas ou na pele quando for utilizar pomadas. Você pode contaminar o medicamento.
  • Não encoste no olho ou na pele o bico dos frascos dos colírios e das pomadas para os olhos.
  • Sempre leve todas as receitas, os exames e os medicamentos em uso para todos os atendimentos médicos. Informe ao médico se você toma chás ou faz uso de plantas medicinais.
  • Mantenha a receita médica junto com os medicamentos.
  • Nunca espere o medicamento acabar para providenciar nova receita, para comprá-lo ou buscá-lo na unidade de saúde.
  • Os medicamentos suspensos ou antigos devem ser guardados em local separado dos medicamentos em uso.

Exercícios com bolas aumentam concentração e coordenação de idosos de jacareí

As atividades esportivas contribuem com a saúde e qualidade de vida das pessoas, especialmente dos idosos, pois com o passar os anos o corpo humano perde massa muscular, agilidade e energia, dentre outro elementos – o que dificulta, e em alguns casos, até impede a realização de algumas atividades.

Para amenizar as conseqüências do envelhecimento e garantir qualidade de vida aos idosos, a Fundação José Carlos da Rocha proporciona uma série de ações com os residentes dos lares diretamente assistidos pela instituição.

Uma dessas iniciativas é o projeto Alegria de Viver, desenvolvido pelo professor Thiago Frederic de Melo, que atua na expressão corporal, atividades lúdicas, treinamento funcional, alongamentos, e atividades que envolvam ritmos, motivação e exercícios.

Durante o mês de janeiro, o professor tem trabalhado com bola ao gol, com jogos com as mãos e com os pés, sendo cada um com sua característica, com idosos do Lar Frederico Ozanam, em Jacareí. Segundo o educador físico, o exercício atua com movimentos, distância, velocidade e tempo de execução – o que aprimora a coordenação motora e deixa os residentes mais aptos para a realização de tarefas do dia a dia. “Conseguimos estimular os movimentos corporais, especialmente da coordenação fina nas mãos e equilíbrio com os pés, o que ajuda nos trabalhos do cotidiano deles, e ainda aumenta a capacidade de concentração”, explicou.

Ainda de acordo com Thiago Frederic de Melo, os exercícios ainda têm possibilitado maior integração entre os residentes e mais disposição para o dia a dia. “Conseguimos mantê-los mais ativos, alegres e motivados para viver. Essas ações geram um ganho incalculável em qualidade de vida”.

Grupo faz pintura de imagens e frases positivas para começar bem o ano

Para fazer os idosos começarem o ano de 2020 de maneira positiva, a professora Letícia Godinho, da Fundação José Carlos da Rocha, está desenvolvendo aulas de pintura com um grupo do Lar Irmã Terezinha, de Pindamonhangaba.

Os desenhos normalmente contêm frases motivacionais ou animais que simbolizam a paz, como os pombos brancos – por exemplo.

De acordo com a professora, a atividade faz parte do projeto “Arte Experiente da Terceira Idade”, que utiliza linguagens artísticas, predominantemente plásticas, de símbolos, metáforas e de forma geral da criatividade em processos terapêuticos.

Ela explicou que além de motivar os idosos, os desenhos têm contribuído para melhoria na coordenação motora fina, estimulação da expressão e do desenvolvimento da criatividade, bem como a liberação de emoções, de conflitos internos, de controle da ansiedade e de conteúdos reprimidos, como medos e aflições.

Ainda segundo Letícia Godinho, o trabalho procura ocupar melhor o tempo dos idosos, incentivar a socialização, por meio do diálogo entre os participantes do grupo, mostrar que o envelhecimento não impede o indivíduo de aprender, criar ou mesmo descobrir aptidões nunca manifestadas ao longo da vida.

Projeto estabelece variáveis para contribuição de idoso em casa-lar filantrópica

O Projeto de Lei 5789/19 estabelece critérios que obedeçam ao grau de dependência do idoso para a definição do valor da participação dele no custeio das casas de repouso filantrópicas.

Pelo texto, idosos independentes participarão com no máximo 70% do benefício previdenciário que recebem; idosos com dependência em até três atividades diárias, como se alimentar, locomover ou tomar banho, com até 85%; e idosos que requeiram assistência em todas as atividades ou com comprometimento cognitivo, com até 100%.

O projeto, do deputado Miguel Lombardi (PL-SP), tramita na Câmara dos Deputados e altera o Estatuto do Idoso. A lei atual fixa 70% do benefício recebido pelo idoso como teto de participação, independentemente de sua condição.

Lombardi observa, no entanto, que os gastos representados pela internação de um idoso em entidades filantrópicas variam de acordo com seu grau de dependência para a realização de atividades diárias.

“Um idoso com plenas faculdades mentais e condições de mobilidade perfeitas gera custo menor que um idoso acamado e com as funções cognitivas seriamente comprometidas, que necessite de supervisão integral”, compara. “De outro lado, um idoso que consiga sair e tenha dentro do possível uma vida social precisa ter dinheiro remanescente para manter sua qualidade de vida”.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa; de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

Fonte: Agência Câmara

Perícia médica domiciliar do INSS em idoso doente deverá ocorrer em até 30 dias

O Projeto de Lei 5663/19 estabelece o prazo máximo de 30 dias, após a entrada do requerimento, para que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) realize a perícia médica domiciliar no idoso enfermo. A proposta, do deputado Lourival Gomes (PSL-RJ), tramita na Câmara dos Deputados.

Segundo o parlamentar, a ideia é facilitar a vida da pessoa idosa doente e com dificuldade de locomoção na obtenção de laudo de saúde necessário para garantir seus direitos sociais e as isenções tributárias.

O texto acrescenta a medida ao Estatuto do Idoso. A lei atual prevê o atendimento domiciliar, mas não define prazo para que ele ocorra.

“Idosos enfermos têm, além das restrições impostas pela doença, limitações inerentes à idade avançada. Estabelecer um prazo máximo de realização da perícia médica é dispositivo de amplo alcance social e de justiça”, afirma Gomes.

Tramitação: O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa; de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

Fonte: Agência Câmara Notícias

Idosa que não saía do quarto passa a dançar após aula

Os trabalhos da fundação José Carlos da Rocha proporcionam grandes benefícios a centenas de idosos dos lares diretamente atendidos pela instituição. Além do projeto ‘Eu Ainda Quero’ – que viabiliza a realização dos sonhos dos residentes em lares – outras iniciativas também geram melhorias, sejam elas físicas, especialmente na questão motora, e emocional.

Neste mês de janeiro, as aulas da professora Rita de Cássia dos Santos estão descontraindo idosos do Lar Vicentino, em Lagoinha, e proporcionado qualidade de vida. Por meio das aulas de dança folclórica e de salão, os idosos estão movimentando e fortalecendo o corpo.

Um grande exemplo do resultado das aulas é Dona Maria. Antes das aulas, Dona Maria mal saia de seu quarto. Hoje consegue até ensaiar alguns passos de dança.

Exercícios com bexigas e música estimulam concentração e coordenação motora de grupo em Taubaté

Os residentes da Casa do Ancião Luiza de Marillac, de Taubaté, recebem constantemente atividades da Fundação José Carlos da Rocha. Nas últimas semanas, durante as aulas da professora Flávia do Amaral, os idosos têm participado de exercícios com bexigas e com músicas.

O objetivo da professora responsável pelo projeto Viva Bem é trabalhar a concentração, coordenação motora e ritmo. Ela explicou que os movimentos corporais, auxiliados pelo contato com a bexiga e em sintonia com os sons musicais tornam possíveis esses resultados. Segundo ela, desde que iniciou os exercícios com bexiga e música, o grupo tem se mostrado mais ativo e alegre durante os encontros.

 

Presidente veta elevação do teto de recebimento do BPC

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente no fim de dezembro de 2019 o projeto de lei que aumenta o limite de renda per capita familiar para recebimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC). O PLS 55/1996 amplia o número de pessoas que podem receber o benefício.

O BPC, no valor de um salário mínimo, é pago aos cidadãos idosos ou com deficiência que não podem se manter sozinhos nem ter o sustento garantido pela família. Atualmente, o critério estabelecido para identificar essas famílias é a renda per capita mensal inferior a 25% do salário mínimo — valor que, em 2020, será cerca de R$ 260. A proposta eleva essa linha de corte para metade do salário mínimo, o que abrange mais famílias e, portanto, mais beneficiários do BPC.

A justificativa do presidente para o veto é que a medida cria novas despesas obrigatórias para o governo sem indicar uma fonte de custeio e sem demonstrar os impactos orçamentários.

O PLS 55/1996 é de autoria do então senador Casildo Maldaner (SC). Ele foi aprovado em 1997 e ficou 19 anos parado na Câmara, até ser devolvido na forma de um substitutivo (SCD 6/2018). O Senado rejeitou as mudanças sugeridas pelos deputados e aprovou definitivamente o projeto no fim de novembro.

Fonte: Agência Senado

Projeto muda de 60 para 65 anos idade para pessoa ser considerada idosa

O Projeto de Lei 5383/19 altera a legislação vigente para que as pessoas sejam consideradas idosas a partir dos 65 anos de idade, e não mais 60. Em análise na Câmara dos Deputados, o texto altera o Estatuto do Idoso e a Lei 10048/00, que trata da prioridade de atendimento.

“Não existe mais justificativa para dizer que uma pessoa com 60 anos é idosa. A cada dia que se passa vemos mais pessoas atingindo essa idade com qualidade de vida, em plena atividade laboral, intelectual e até mesmo física”, afirma o deputado João Campos (Republicanos-GO), autor da proposta.

Ele destaca que a expectativa de vida no Brasil aumentou sete anos desde 2003, e hoje é de 80 anos para mulheres e 73 anos para homens, em média, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). E acrescenta que a reforma da Previdência, recentemente promulgada (Emenda Constitucional 103/19), aumentou a idade mínima de aposentadoria para 65 anos para o homem e para 62 anos para a mulher.

Mudanças
Caso o projeto seja aprovado pela Câmara, o Estatuto do Idoso passará a regular os direitos das pessoas com idade igual ou superior a 65 anos. A elas será assegurada, por exemplo, prioridade na tramitação dos processos e procedimentos e na execução dos atos e diligências judiciais em que figure como parte.

Além disso, apenas às pessoas com idade igual ou superior a 65 anos – e não mais 60 anos – será assegurado tratamento prioritário no transporte coletivo, em bancos, repartições públicas e empresas concessionárias de serviços público.

Tramitação
A proposta será analisada em caráter conclusivo pelas comissões de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Revista destaca Fundação José Carlos da Rocha

A Fundação José Carlos da Rocha foi destaque da Revista Coop na edição de dezembro de 2019. O periódico de circulação na Grande São Paulo trouxe uma reportagem de três páginas sobre o projeto ‘Eu Ainda Quero’, criado e desenvolvido pela Fundação José Carlos da Rocha e que já beneficiou milhares de idosos de várias cidades.

Confira as imagens da reportagem ou baixe a revista na versão PDF. Clique aqui  (Conteúdo nas páginas 52, 53 e 54)