Categoria Destaque

Coral de Idosos se apresenta no Festival de Marchinhas de Pinda

O coral de idosos formado pela parceria entre a Fundação José Carlos da Rocha e o Lar São Vicente de Paulo vai se apresentar na abertura do Festival de Marchinhas de Pindamonhangaba, dia 22 de fevereiro, às 19h30, na Praça do Quartel.

O grupo vem ensaiando com a professora Flávia do Amaral há dois anos e já participou de dezenas de apresentações ao público, mas esta será a primeira vez em um evento de carnaval. “Eles já estiveram em muitas solenidades e festas, no entanto com esta temática será uma apresentação inédita e eles estão bastante ansiosos para mostrar as músicas”, explicou.

Segundo ela, o assunto é o mais comentado entre os vovôs e vovós. “Não se fala em outro assunto. Tem algumas semanas que eles ficam perguntando sobre a apresentação no Festival de Marchinhas. Isso será muito especial porque são temas, canções que remetem ao passado de cada um e isso têm feito com que eles se emocionem, que pensem na juventude, nos familiares, nos amores e nos amigos. Por fim, isso gera boas lembranças e saudades e, também por isso, será muito especial”, argumentou.

A professora disse que o grupo possui entre 15 e 20 músicas com temas carnavalescos ensaiados, mas a definição de quais farão parte da apresentação no Festival de Marchinhas será feita na hora. “Ainda não fechamos o setlist. Isso será feito poucos instantes antes da apresentação e vamos acertar isso com os próprios vovôs e vovós. Temos pronto, bastante ensaiado, clássicos como ‘Pra você gostar de mim’, ‘Me dá um dinheiro aí’, ‘Cabeleira do Zezé’, ‘Bandeira Branca’, ‘Marcha do remador’, ‘Jardineira’, ‘Cachaça não é água’, dentre outras. Vai ser divertido para todos”.

A última apresentação do coral da Fundação José Carlos da Rocha em evento da Prefeitura de Pindamonhangaba ocorreu na inauguração da UPA de Moreira César, em dezembro de 2018.

Após o Coral da Fundação José Carlos da Rocha haverá apresentação com os grupos selecionados para competição no festival.

Fundação faz idosos refletirem sobre igualdade das pessoas

As aulas de arte terapia aplicadas pela professora Letícia Godinho, da Fundação José Carlos da Rocha, têm proporcionado melhorias a dezenas de idosos.

Em 2019 ela tem diversificado os elementos e temas para aplicação, buscando novos estímulos e participação dos vovôs e vovós.

Uma dessas temáticas, realizada no Lar Casa São Francisco de Idosos de Taubaté, incluiu a mão como objeto de trabalho. A professora fez com que os vovôs e vovós desenhassem suas próprias mãos. Com isso, Letícia conseguiu desenvolver e aprimorar as habilidades de coordenação, percepção e criatividade de casa um.

No Lar São Vicente de Paulo, em Pindamonhangaba, a professora fez uso de outro recurso. Em uma folha, formato A4, cada idoso pôde fazer um auto-retrato – enfatizando as características dos cabelos. A atividade, intitulada ‘cabelo maluco’, serviu para cada um mostrar a forma como se vê.

Ao fim das produções das aulas, a professora explicou que, além dos pontos técnicos e de evolução em sala de aula, o objetivo das ações realizadas em Taubaté e Pindamonhangaba é para mostrar que a aparência física – expressada na forma de mãos, face ou cabelo não torna ninguém melhor ou pior que outra pessoa. “Mais além que isso, destacamos a questão das mãos para dizer que todos precisam de uma mão. No caso dos internos, eles necessitam de várias mãos: mão cozinheira, mão enfermeira, mão de cuidador, de professor, de voluntário, de amigo. Acredito que os exercícios despertaram essas reflexões, sobre a questão da aparência física e da ajuda”, explicou.

Letícia Godinho disse que nos dois lares foram montados painéis com os trabalhos. “Queremos que eles vejam as obras e pensem a respeito. Além disso, escrevemos a frase: “Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos”, concluiu.

 

Vovôs e vovós visitam bosque construído para princesa Isabel

Um grupo de aproximadamente 20 vovôs e vovós do Lar São Vicente de Paulo, em Pindamonhangaba, passou uma manhã apreciando as belezas naturais do Bosque da Princesa no início de janeiro.

A ação foi organizada pela professora Flávia do Amaral, da Fundação José Carlos da Rocha – que desenvolve o projeto Viva Bem com os idosos do ‘São Vicente de Paulo’, e pelo fisioterapeuta Thiago Costa e Silva.

Além de conferir as paisagens, observar pássaros, ver a margem do rio Paraíba do Sul, conhecer dezenas de espécies de árvores – todas devidamente identificadas – o grupo ainda fez exercícios na academia da melhor idade e caminhada no bosque, conhecido como ‘da Princesa’, pois foi construído para ser um local para passeio da princesa Isabel, em 1868.

De acordo com a professora Flávia, todos gostaram muito da ação. “É um local bastante fresco porque é arborizado, é muito bonito e aconchegante. Isso contribui para alegrar os idosos. A intenção era propor uma atividade externa que pudesse servir como passeio e também para a prática de exercícios físicos e o Bosque da Princesa se encaixou perfeitamente nessa ideia”.

 

Festa com vovôs e vovós encerra ano de conquistas

O ano de 2018 reservou grandes acontecimentos para a Fundação José Carlos da Rocha e os lares assistidos por seus programas, bem como os que recebem apoio via projeto ‘eu Ainda Quero’.

Para celebrar um ano repleto de sucessos, a Fundação José Carlos da Rocha realizou sua tradicional festa. Este ano foram cerca de cerca de 300 idosos de 11 lares da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, que se reuniram dia 13 de dezembro, no Marinelli Eventos, em Pindamonhangaba.

Além de comidas e bebidas, houve muita animação com apresentação da banda Confraria Musical, que tocou sucessos nacionais e internacionais para os vovôs e vovós.

A festa também contou com  diversas apresentações com os grupos organizados pelos prestadores de serviços da Fundação José Carlos da Rocha com seus ‘alunos’.

Dentre os destaques houve o coral do grupo de idosos do Lar São Vicente de Paulo – que fazem aula com a professora Flávia do Amaral; duas apresentações de dança com o professor Alexandre Botelho e seus alunos dos lares; e de dança sênior com a educadora física Rita de Cássia dos Santos – nova integrante da equipe da Fundação José Carlos da Rocha.

A instituição também homenageou a vovôs e vovós e distribuiu flores e lembranças.

Fundação José Carlos da Rocha leva palestra e coral para fórum de assistência social

A Fundação José Carlos da Rocha é um dos destaques do I Fórum da Rede Socioassistencial de Pindamonhangaba, promovido pela Prefeitura em parceria com o Conselho Municipal de Assistência Social, no auditório da Faculdade Anhanguera, dia 30 de novembro.

 

O Fórum começa às 8 horas, e logo no início acontece uma apresentação dos trabalhos da Fundação José Carlos da Rocha. A coordenadora Renata Linhares vai explanar sobre as atividades desenvolvidas pela instituição nos 13 lares atendidos diretamente e os benefícios gerados a centenas de idosos.

 

Ainda no período da manhã, a Fundação José Carlos da Rocha volta a ter participação direta no evento. Às 10 horas, o coral formado por idosos do Lar São Vicente de Paulo vai cantar temas de Natal e outras canções ensaiadas pela professora Flávia do Amaral.

 

À tarde, membros da Fundação José Carlos da Rocha retornam ao Fórum para assistir palestras e participar de um debate para elaboração de novas propostas referentes às ações socioassistenciais, com discussões sobre a importância da articulação na rede de garantia de direitos.

Grupo do ‘Frederico Ozanam’ faz visita ao Papai Noel

A Fundação José Carlos da Rocha promoveu mais uma iniciativa de lazer e recreação com um grupo com os vovôs e vovós do Lar Frederico Ozanam, de Jacareí.

Em novembro de 2018 diversos idosos foram até um shopping center de São José dos Campos, onde visitaram a Casinha do Papai Noel, conversam com o Bom Velhinho, viram enfeites natalinos e conferiram outras atrações no centro de compras.

O grupo ficou encantado com as luzes e com o carinho que recebeu do público. De acordo com o professor Thiago Frederic de Melo, da Fundação José Carlos da Rocha, o passeio foi incrível. “Foi lindo presenciar os vovôs e vovós resgatando e revivendo momentos da infância que alguns nem sonharam em ter. Ficamos emocionados em vê-los felizes e enormemente agradecidos em poder proporcionar momentos como este”.

Ao fim da atividade, os idosos se deliciaram com lanches. A ação foi realizada em conjunto pela Fundação José Carlos da Rocha e pelo Lar Frederico Ozanam.

Idosos vão distribuir rosas no Dia Mundial da Gentileza

Um grupo de idosos dos lares São Vicente de Paulo e Irmã Terezinha, de Pindamonhangaba, vai comemorar o Dia Mundial da Gentileza – 13 de novembro – com um ato na praça Monsenhor Marcondes – área central de Pindamonhangaba.

Durante a iniciativa, das 9 Às 11 horas, haverá exibição de cartazes e a entrega de flores e ‘lembrancinhas’ às pessoas que estiveram passando pela praça. As flores e todo material de suporte estão sendo confeccionadas durante as aulas de arteterapia da professora Letícia Godinho, da Fundação José Carlos da Rocha.

A participação dos vovôs e vovós será semelhante a que ocorreu em maio deste ano – na celebração do Dia do Abraço. “Na ocasião foi uma tarde muito especial para os idosos, que fizeram os cartazes e ‘distribuíram’ abraços paras as pessoas no centro. Eles gostaram muito e sempre nos pediam para fazermos mais atividades como aquela. Deste modo surgiu a ideia de nos mobilizarmos para o Dia Mundial da Gentileza”, explicou a professora Letícia Godinho.

A assistente social da Fundação José Carlos da Rocha, Simone Duarte, explicou que o contato com as pessoas gera grandes benefícios aos idosos, favorece a socialização e contribui na qualidade de vida.

 

Sobre o Dia da Gentizela

O Dia Mundial da Gentileza foi estabelecido com a abertura da “World Kindness Movement”, uma conferência realizada em Tóquio, no Japão, em 1997 para a promoção da gentileza no mundo.

 

O que é gentileza?

A gentileza é uma atitude que “faz com que o homem pareça exteriormente, como deveria ser interiormente” – disse Jean de La Bruyère, escritor e moralista francês, famoso por sua única obra ‘Personagens ou costumes do século’. Ou seja, ainda que por dentro o homem não tenha mais o espírito gentil (difícil nestes tempos de pressa e competição) demonstrar gentileza é um dever de pelo menos fingir que ainda mantemos nossa natureza colaborativa, de animais sociais que somos.

Gentileza tem a ver com carinho, atenção, cuidado, amor, respeito, educação, consideração, empatia…Tem a ver com tanta coisa, todas boas pois absolutamente não há nada de mal em ser gentil, não se perde nada com a gentileza, ao contrário, se ganha: se contribui para a construção de um mundo mais amigável, mais acolhedor, menos preconceituoso, menos competitivo e cruel, mais compreensivo das diferenças e das dificuldades de cada um de nós.

 

 

 

‘José Carlos da Rocha’ é homenageado no Lar Irmã Terezinha

A FJCR (Fundação José Carlos da Rocha) ‘ganhou’ um salão para eventos no Lar Irmã Terezinha, em Pindamonhangaba. A área, denominada ‘José Carlos da Rocha’ vai ser utilizada para atividades do lar com os idosos e, principalmente, para os ações e atividades que a FJCR realiza com os vovôs e vovós.

O salão e outras instalações foram reformados e a direção do lar realizou a reinauguração da casa no mês de outubro.

O coordenador da Fundação José Carlos da Rocha, Vinicius Mamede, agradeceu a direção do ‘Irmã Terezinha’ pela homenagem. “Ficamos extremamente honrados e felizes com esta homenagem. Dedicamos a todos vocês que de alguma forma nos ajudam. Aos administradores, nossos parabéns e a nossa gratidão”.

Além do fornecimento de fraldas geriátricas, a Fundação José Carlos da Rocha desenvolve duas iniciativas no Lar Irmã Terezinha: Projeto de Dança (possibilita exercitar o corpo para garantir força muscular, equilíbrio, aprimorar a coordenação motora e contribuir com a autonomia e com a independência do idoso, para que se mantenha ativo socialmente, além de exercitar a mente, a atenção, a concentração e a memória, reduzindo o estresse e a ansiedade. Outra atuação da FJCR no ‘Irmã Terezinha’ é o Projeto Arte Experiente da Terceira Idade (uso da arte terapia – linguagens artísticas, de símbolos, metáforas e criatividade para processos terapêuticos – favorecendo a expressão das emoções, incentivando a socialização e gerando sensação de prazer e alegria aos idosos).

 

Sobre o lar

O Lar Irmã Terezinha, de Pindamonhangaba, é uma instituição filantrópica, que promove o acolhimento institucional do idoso, visando sua proteção e o restabelecimento dos vínculos familiares e comunitários.

O lar propicia atividades de interação entre o idoso e a comunidade, favorece o convívio de forma mista, respeita profundamente as necessidades pessoais e o direito de vida digna e proporciona tratamento adequado a todos – independentemente de contribuição econômica.

Fundado em 23 de setembro de 1945, o Lar Irmã Terezinha vem se destacando ao longo dos anos pelos serviços e procedimentos que geram qualidade de vida aos internos, principalmente com ações no aspecto pessoal (relações afetivas e subjetivas), social (educação, saúde, cultura, lazer, previdência social e assistência) e espiritual.

A instituição desenvolve ainda um atendimento integral aos 74 residentes (33 homens e 41 mulheres – sendo 22 cadeirantes), zelando pela diretrizes estabelecidas pelos SUAS – Sistema Único da Assistência Social.

Para manter o serviço, o lar recebe verba pública, por meio dos fundos municipais de Assistência Social e do Idoso, além de doações, ações beneficentes e contrapartida do idoso.

O lar fica na avenida São João Bosco, 706, bairro do Santana.

Gincana reúne várias atividades entre idosos e jovens

Pindamonhangaba vai promover a quarta edição da Gincana Intergeracional, entre idosos e jovens, dia 18 de outubro (quinta-feira). O evento, promovido em parceria entre a Fundação José Carlos da Rocha e o Lar São Vicente de Paulo, visa a diversão e a interação entre jovens e idosos, em clima de competição, e contará até com a entrega de medalhas, confeccionadas pelos próprios vovôs e vovós em aulas de arteterapia

Para isso, serão propostas gincanas entre os adolescentes e os internos, além de música, dança e uma festa no fim do evento. “Vamos formar várias equipes e desenvolver brincadeiras que possam ser executadas pelos jovens em parcerias com idosos”, disse a professora de arteterapia da José Carlos da Rocha, Letícia Godinho.

A programação começa às 14h30 com as competições de quebra gelo, dança do espelho e grito de guerra.

“É um trabalho multidisciplinar. Pensamos em atividades que possam ser realizadas por jovens e também por idosos, mesmo os cadeirantes, para termos a interação, a diversão e a inclusão. Acreditamos que iniciativas com essa sejam importantes para despertar nos adolescentes um sentimentos de amor e de carinho pelos mais velhos e, sobretudo, para devolvermos a alegria e o sorriso aos idosos”, disse a professora Flávia do Amaral, uma das idealizadores do projeto.

Às 15 horas haverá o circuito – onde os idosos vão carregar bolinhas em cima de colheres entre os pontos A e B e serão auxiliados pelos jovens. No ponto B, os jovens vão encher bexigas e entregar aos cadeirantes, que vão se deslocar até o ponto C. Neste local, outro idoso vai receber e estourar a bexiga. Na sequência, vai lançar um bambolê em direção a um cone.

“O circuito será repetido oito vezes, alternando os idosos e os jovens . Os tempos serão cronometrados e a equipe que fizer todo o circuito em menor tempo será declarada a campeã”, explicou a professora Flávia do Amaral.

Em outra atividade, um jovem, com os olhos vendados, mas conduzido por um idoso, terá que levar uma bexiga do ponto A ao ponto B, e colocá-la dentro de um cesto. A equipe que colocar 10 bexigas no cesto primeiro será declarada a campeão.

Toda o evento vai contar com participação dos funcionários do Lar São Vicente de Paulo, incluindo a psicóloga Viviane, o fisioterapeuta Tiago e a assistente social Sônia.

 

Semana do Idoso também teve show do palhaço Alegrito

A Fundação José Carlos da Rocha promoveu uma grande festa para os vovôs e vovós do lar São Vicente de Paulo dia 27 de setembro.

O evento foi muito especial, dentro da Semana do Idoso de Pindamonhangaba, e ainda celebrou os aniversariantes do mês, que participaram de brincadeiras, dança, música e muita diversão com o palhaço Alegrito – autor do show ‘Circo – O Espetáculo da Vida’ – e com os professores da Fundação José Carlos da Rocha.

Toda a decoração foi feita pelos próprios idosos durante as aulas de arte terapia com a professora Letícia Godinho. Os professores Alexandre Botelho e Flavia do Amaral também animaram os vovôs e vovós durante toda a tarde de festa.

A Fundação José Carlos da Rocha agradece a participação de todos os apoiadores, em especial ao palhaço Alegrito pela apresentação.