Para especialistas, educação melhora qualidade de vida dos idosos

Para especialistas, educação melhora qualidade de vida dos idosos

Especialistas apontam melhora na qualidade vida de idosos com educação continuada. O assunto foi discutido em uma audiência pública da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa da Câmara dos Deputados no início de setembro.

Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Johannes Doll afirmou que os especialistas trabalham sob a perspectiva de que o aprendizado é para toda vida. “Aprender é realmente uma coisa que o ser humano faz até o final da vida. Vamos aprender sempre quando surgem novos desafios. Então, parece que nós estamos sempre aprendendo”.

Audiência pública da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa sobre os impactos da educação. Crédito de fotografia: Will Shutter/Câmara dos Deputados

Presidente do Fórum de Pró-Reitores de Extensão das instituições públicas de ensino superior, Adriana Marmori, reforça que o Estatuto do Idoso (Lei 10741/03) garante o direito à educação, que é vista como um processo contínuo.

Ela informa que há mais de 200 programas e projetos de extensão voltados para o ensino dos maiores de 60 anos, como as universidades abertas da terceira idade, com inúmeras vantagens, como melhora na qualidade de vida e troca de saberes. “Estamos, de fato, enquanto universidade, cumprindo o nosso papel de dialogar com a comunidade externa na construção coletiva de sociedade mais humanizada”, ressaltou.

A presidente da Comissão de Defesa do Idoso, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), destaca que além dos conteúdos educacionais, os alunos mais velhos estão atentos à inclusão digital. “Muitos criam mitos de que o idoso não está preparado para interagir com essas novas tecnologias, mas elas estão sendo acessadas pelos idosos, que passam a ter não apenas uma relação de uso cotidiano, mas também a participar da criação de games, da criação de programas tecnológicos avançados”, afirmou.

Seminário em Brasília
Durante a audiência pública, a representante do Ministério da Educação Raquel John disse que temáticas como o processo do envelhecimento, o respeito e a valorização do idoso estão incluídas em todas as etapas da educação básica.

Ela acrescentou que um seminário marcado para 10 de outubro, em Brasília, vai discutir como incorporar esses temas aos currículos e às propostas pedagógicas da rede de ensino.

 

Fonte: Agência Câmara Notícias

 

Deixe uma resposta